Como praticar o budismo: um guia prático para as crenças budistas

Como praticar o budismo: um guia prático para as crenças budistas

Neste artigo, você aprenderá tudo o que precisa saber sobre como praticar o budismo.

O que fazer.

O que não fazer.

(E o mais importante de tudo) como usar as práticas budistas para viver uma vida consciente e feliz.

Vamos lá…

O que é budismo?

Com mais de 500 milhões de seguidores e sendo uma das religiões mais antigas ainda praticadas hoje, o budismo tem inúmeras definições, mas há um conjunto básico de valores que podem ajudar a costurar uma definição básica do que o budismo representa.

Essencialmente, o budismo é uma tradição espiritual que começou há mais de 2.000 anos, quando o homem que se tornaria Buda sentou-se à sombra de uma árvore Bodhi no antigo Nepal para meditar.

Foi aqui que este homem encontrou a iluminação e aqui onde nasceu o Budismo.

Como praticar o budismo para uma vida plena, pacífica e feliz

Budismo: uma religião diferente de qualquer outra, ensinando menos sobre a importância das divindades e das leis espirituais e mais sobre um modo de vida que pode transformar a essência de nossa personalidade.

Embora existam várias seitas do budismo hoje, existe um entendimento fundamental de que todos os budistas compartilham em seu respeito pelos princípios budistas.

Mas por que as pessoas praticam o budismo?

Embora haja uma série de razões, um princípio fundamental é entender que todas as criaturas estão intimamente familiarizadas com o sofrimento, portanto, a vida deve ser sobre como aliviar esse sofrimento eterno por meio de abertura e bondade.

Aqui está como você pode praticar o budismo:

Vivendo com os Quatro Grandes Votos de Bodhisattva

1) Trabalhar para acabar com o sofrimento dos outros

O Budismo ensina “as Quatro Nobres Verdades”, e estas ensinam que o sofrimento e a vida estão interligados.

O sofrimento só pode acabar finalmente com a quebra do ciclo da vida: nascimento, morte e renascimento.

Devemos trabalhar para resgatar os outros do sofrimento, tanto mental quanto físico: para fazer isso, devemos alcançar o nirvana, que é alcançado seguindo o Caminho do Meio, ou o Nobre Caminho Óctuplo.

2) Siga o Nobre Caminho Óctuplo

O Nobre Caminho Óctuplo é o seu caminho para o nirvana, o estado de bem-aventurança no qual o sofrimento não existe mais. Essas oito lições incluem:

  • Fala Correta, Modo de Vida Correto, Ação Correta (Os Cinco Preceitos)
  • Concentração Correta, Esforço Correto, Atenção Plena Correta (Meditação)
  • Pensamento Correto, Compreensão Correta (Meditação, Atenção Plena e os Cinco Preceitos)

3) Corte os laços com o desejo e a necessidade

Grande parte da nossa vida é ditada por nossas necessidades e desejos. Podemos querer o carro mais recente, o carro mais brilhante, a maior casa, mas o desejo por esses bens materiais vai contra tudo o que o budismo defende.

4) Aprendizagem ao longo da vida

Nunca devemos acreditar que aprendemos o suficiente. Aprender é uma meta para toda a vida e, quanto mais aprendemos, mais perto nos tornamos da iluminação.

Especificamente, devemos aprender o dharma e sua relação com o sofrimento.

Viver com os cinco preceitos

Os Cinco Preceitos do Budismo devem ser vividos para atingir um estado de nirvana ou iluminação, a meta de todos os budistas.

Estes são diferentes dos Mandamentos do Cristianismo; não são regras de Deus, mas empreendimentos fundamentais ao longo da vida pelos quais devemos viver para nos tornarmos as melhores versões de nós mesmos.

Seguindo esses preceitos, podemos alcançar melhor o nirvana e ter uma vida melhor em nosso próximo renascimento.

Esses cinco preceitos são:

  • Não Mate: Este preceito se aplica a todas as criaturas vivas, incluindo animais e insetos. É por isso que você descobrirá que os budistas mais devotos vivem estilos de vida vegetarianos ou veganos.
  • Não roube : Não leve itens que não sejam seus. Isso se aplica a todos os itens, incluindo roupas, dinheiro e comida. Devemos também doar àqueles que precisam de nossa ajuda, e não acumular itens para nós mesmos.
  • Não abuse ou explore : Não abuse ou explore outras pessoas, sexualmente, mentalmente, fisicamente e emocionalmente. Embora você não precise praticar a abstinência, deve ter certeza de que seu parceiro adulto lhe deu consentimento. Esteja contente com o que você tem e com os parceiros que você tem.
  • Não minta : A verdade é de extrema importância para os budistas. Não minta, esconda informações importantes e guarde segredos. Esteja sempre aberto e claro.
  • Não use drogas : Isso inclui substâncias psicoativas, álcool, alucinógenos e outras drogas. Qualquer coisa que possa alterar sua mente é proibida, pois inibe a pessoa atenção plena , um elemento crucial do budismo.

Vivendo com práticas budistas: Karma e Dharma

Carma

Carma é um elemento-chave de um estilo de vida budista. É a crença de que tudo o que você faz tem um peso de “bom” ou “mau” e, quando sua vida terminar, seu carma geral será julgado.

Se o seu carma for positivo, você renascerá para uma nova vida favorável; se o seu carma for negativo, você experimentará uma vida pior do que a anterior.

As circunstâncias de nossa vida atual são determinadas pelo carma de nossa vida anterior, e somente sendo uma boa pessoa podemos garantir que nossa próxima vida será mais feliz.

A diferença entre boas ações e más ações são as motivações que temos por trás dessas ações. Boas ações são motivadas pela bondade e pelo desejo de aliviar os outros do sofrimento. As más ações são motivadas pelo ódio, ganância e consistem em atos que trazem sofrimento aos outros.

Dharma

Outro conceito crucial no budismo é o dharma, que é a realidade do mundo e de sua vida.

O dharma muda constantemente e é alterado pela maneira como você vê e interage com o mundo, bem como pelas escolhas que você faz.

Você pode pensar no dharma como a compreensão geral dos caminhos e princípios do budismo, ou a maneira como você segue o modo de vida budista.

Para melhor incorporar o dharma em sua vida, você deve viver o momento e apreciar a vida que você tem. Seja grato, seja grato e passe todos os dias trabalhando em direção ao nirvana.

Meditação: o estilo de vida budista

Finalmente, para praticar o budismo, você deve praticar a atividade diária mais importante para aumentar o seu atenção plena e abertura: meditação.

Meditação permite estar em harmonia com sua paz interior e sofrimento, e é o primeiro passo para o nirvana.

Mas a meditação é mais do que apenas sentar em uma sala silenciosa, perdido em seus pensamentos. Aqui está um guia rápido para realmente começar a meditar:

  • Encontre um lugar onde você possa ficar sozinho: Encontre uma área tranquila onde ninguém o incomodará. Afaste-se de distrações, como telefone, computadores e música.
  • Sente-se confortavelmente: Embora as pernas cruzadas sejam a posição mais comum associada à meditação, não é necessário. Sente-se de uma maneira que seja confortável para você, em que você possa esquecer seu corpo. Sente-se ereto e relaxe.
  • Concentre-se em seus olhos: A maioria das pessoas escolhe fechar os olhos para ajudá-los a encontrar sua paz interior. No entanto, fechar os olhos não é necessário. Se desejar manter os olhos abertos, tente abaixar o olhar ou fixe-o em um objeto à sua frente.
  • Esteja atento à sua respiração: Concentre-se em cada respiração. Concentre-se no ar que entra e sai de seu corpo. Reflita sobre a sensação de cada respiração, sobre o peso de cada impulso em seu peito. Perca-se no momento.
  • Deixe seus pensamentos fluírem: E, finalmente, deixe seus pensamentos fluírem. Não tente pensar em uma determinada coisa. Faça o possível para esvaziar sua mente e deixe-a vagar livremente, sem nenhuma direção.

Por pelo menos 15 minutos por dia na primeira semana, você deve meditar na mesma posição e na mesma sala.

Se você quiser continuar meditando, certifique-se de estender suas meditações por 5 minutos todas as semanas, até atingir um máximo de 45 minutos.

Use um cronômetro de fundo que você pode esquecer para evitar a tentação de olhar para o relógio.

(Para mergulhar fundo nas filosofias budistas e como você pode praticá-las para uma vida mais feliz e mais consciente, verifique meu e-book best-seller aqui )

Inscreva-se para receber os e-mails diários do Hack Spirit

Aprenda como reduzir o estresse, cultivar relacionamentos saudáveis, lidar com pessoas de quem você não gosta e encontrar seu lugar no mundo.

Sucesso! Agora verifique seu e-mail para confirmar sua inscrição.

Ocorreu um erro ao enviar sua inscrição. Por favor, tente novamente.

Endereço de e-mail Assinar Não enviaremos spam. Cancele a assinatura a qualquer momento. Desenvolvido por ConvertKit

Começando sua jornada

Esses são os princípios básicos do budismo, mas é claro, leva anos e décadas de estudo e meditação para realmente se familiarizar com uma das mais antigas tradições espirituais ainda praticadas hoje.

Explore o budismo e descubra-o do seu próprio jeito - não há certo ou errado, pois seu processo depende inteiramente de você.

O significado de “Buda”

Embora Buda seja o nome que chamamos de fundador do budismo, ele também tem uma definição em si, traduzido do antigo sânscrito como “O Desperto”.

Por causa disso, o nome Buda não se limita ao primeiro homem a alcançar a iluminação.

Alguns budistas acreditam que qualquer pessoa que alcance a iluminação pode se referir a si mesma como um buda, pois atingiu um nível superior de existência.

Eles veem o mundo sem os muitos filtros e preconceitos da pessoa média e operam em um meio sem o conhecimento do restante de nós.

O budismo tem um Deus?

O budismo não tem Deus, o que o torna nem monoteísta nem politeísta. É por isso que o Budismo é menos frequentemente referido como uma religião e mais precisamente conhecido como uma tradição espiritual.

Sem Deus, os ensinamentos originais do budismo vieram do primeiro Buda, um homem nepalês do século 5 aC conhecido como Siddhartha Gautama.

Siddhartha dedicou sua vida a encontrar maneiras de diminuir o sofrimento humano - tudo, desde a violência generalizada e sem sentido à tristeza pessoal.

Ele passou uma vida inteira com gurus e sábios, estudando, meditando e entendendo o significado de si mesmo.

Foi quando ele se sentou sob a árvore Bodhi que ele começou seu último e longo caminho para a Iluminação.

Por 49 dias, é dito que Siddhartha meditou sob a árvore, até que se levantou como um novo homem Iluminado.

Foi então que Siddhartha espalhou seus ensinamentos e a tradição do Budismo começou.

Quais são os ramos do budismo?

O budismo tem vários ramos ou escolas de pensamento, a partir de várias interpretações dos ensinamentos de Siddhartha Gautama.

Embora cada tipo de budismo compartilhe os valores essenciais do budismo, eles têm algumas diferenças menores, embora distintas. Os ramos do budismo incluem:

Budismo zen
Budismo Terra Pura
Budismo Nichiren
Budismo Vajrayana
Tradição da floresta tailandesa
Budismo Mahayana
Budismo Theravada

Os dois ramos do Budismo que são mais proeminentes hoje são Mahayana e Theravada.

Compreendendo o Budismo Mahayana e Theravada

Budismo Mahayana

Mahayana, ou “O Veículo Maior”, acredita que a Iluminação deve ser alcançada por todos, não apenas pelos monges.

No Budismo Mahayana, um “bodhisattva”, ou pessoa sagrada, ajuda o povo comum a alcançar o nirvana em vez de aperfeiçoar sua própria Iluminação.

Este ramo do budismo coloca maior ênfase em ajudar o maior número possível de pessoas a alcançar o nirvana por meio de esforços sociais.

Budismo Theravada

O Theravada é talvez o ramo mais tradicional do Budismo, seguindo os ensinamentos vindos diretamente da antiga língua Pali.

Há uma ênfase na meditação, e os indivíduos que seguem o Theravada são instados a se tornarem seres iluminados por meio de seu próprio domínio das práticas meditativas.

Os Valores Fundamentais do Budismo

Para entender o budismo de maneira simples, você deve conhecer os três conjuntos de valores centrais: As Quatro Nobres Verdades, O Nobre Caminho Óctuplo e os Cinco Agregados.

As Quatro Nobres Verdades

1. Toda a existência humana é sofrimento.
2. A causa do sofrimento é o desejo.
3. O fim do sofrimento vem com o fim do desejo.
4. Há um caminho a seguir que acabará com o sofrimento.

O Nobre Caminho Óctuplo

1. Compreensão correta é compreender o poder das Quatro Nobres Verdades.
2. O pensamento correto é se envolver em abnegação e bondade amorosa em seus pensamentos.
3. Falar corretamente é falar sem abuso verbal, mentiras, ódio ou culpa.
4. A ação correta é se abster de assassinato, má conduta sexual e roubo.
5. Meio de vida correto é se envolver em um trabalho que o satisfaça e ajude os outros.
6. O esforço correto é praticar o Nobre Caminho Óctuplo consistentemente.
7. A atenção plena correta é observar os padrões do seu corpo, mente e do mundo ao seu redor sem julgamento.
8. A concentração correta é a prática regular de meditação.

Os Cinco Agregados

Os Cinco Agregados são os cinco aspectos da existência humana, agrupando os elementos que influenciam nossa percepção e compreensão da realidade ao nosso redor.

O budismo nos ensina a reconhecer esses cinco agregados para entender que eles podem ser separados, estudados e superados, em vez de nos permitirmos sucumbir a eles juntos.

Os cinco agregados são:

  • Formato , o físico.
  • Sensação , o sensorial.
  • Percepção , a compreensão mental do sensorial.
  • Formação mental , os preconceitos e filtros moldados por nossa compreensão mental.
  • Consciência , a consciência.

Ao estudar os cinco agregados, somos capazes de nos separar de nossos preconceitos, nossos pensamentos, nossos sentidos e perceber o mundo a partir de um entendimento objetivo e mais claro.

Apresentando meu novo livro

Quando comecei a aprender sobre o budismo e a pesquisar técnicas práticas para ajudar minha própria vida, tive que me dedicar a alguns textos realmente complicados.

Não houve um livro que destilasse toda essa sabedoria valiosa de uma forma clara e fácil de seguir, com estratégias e técnicas práticas.

Então decidi escrever um livro para ajudar as pessoas que passavam por uma experiência semelhante à que passei.

Tenho o prazer de apresentar a você O Guia No-Nonsense do Budismo e da Filosofia Oriental para uma Vida Melhor .

Em meu livro, você descobrirá os principais componentes para alcançar a felicidade, em qualquer lugar e a qualquer momento por meio de:

  • Criar um estado de consciência ao longo do dia
  • Aprendendo a meditar
  • Promovendo relacionamentos mais saudáveis
  • Liberando-se de pensamentos negativos intrusivos
  • Abandonar e praticar o desapego.

Embora eu me concentre principalmente nos ensinamentos budistas ao longo do livro - particularmente no que se refere à atenção plena e à meditação - também forneço ideias e percepções importantes do taoísmo, jainismo, sikhismo e hinduísmo.

Pense desta forma:

Eu tenho tomado 5 das filosofias mais poderosas do mundo para alcançar a felicidade e capturou seus ensinamentos mais relevantes e eficazes - enquanto filtrava o jargão confuso.

Então, eu os transformei em um guia altamente prático e fácil de seguir para melhorar sua vida.

O livro levou cerca de 5 meses para escrever e estou muito satisfeito com o resultado. Eu espero que você goste também.

Por um tempo limitado, estou vendendo meu livro por apenas $ 8. No entanto, é provável que esse preço suba muito em breve.

Veja o livro

Por que você deveria ler um livro sobre o budismo?

Tudo bem se você não souber nada sobre budismo ou filosofia oriental.

Eu também não sabia antes de começar minha jornada, 6 anos atrás. E como mencionei acima, não sou budista. Acabei de aplicar alguns de seus ensinamentos mais icônicos para viver uma vida mais consciente, pacífica e feliz.

E eu sei que você também pode.

O fato é que a autoajuda no mundo ocidental está praticamente quebrada. Hoje em dia, está enraizado em processos complicados (e ineficazes), como visualização, workshops de capacitação e uma busca pelo materialismo.

No entanto, os budistas sempre conheceram uma maneira melhor ...

... que alcançar a clareza e a felicidade é viver verdadeiramente no momento presente, o que, por sua vez, realmente torna muito mais fácil obter o que você deseja na vida .

Na agitação da sociedade moderna, alcançar a paz de espírito nem sempre é tão fácil - na verdade, muitas vezes é muito difícil.

Embora existam muitos resorts distantes que você pode visitar para refrescar seus jatos mentais, esses lugares são, em sua maioria, resgates temporários. Você passa uma ou duas semanas ao mesmo tempo, começa a se sentir melhor e, quando volta à sua vida cotidiana, o mesmo estresse toma conta de sua mente novamente.

Isso nos traz de volta à beleza do budismo.

Porque aprendendo as lições em O Guia No-Nonsense do Budismo e da Filosofia Oriental para uma Vida Melhor , você perceberá que não precisa viajar para uma caverna, montanha ou deserto remoto para alcançar uma sensação serena de calma.

A confiança tranquila e relaxada que você busca já está dentro de você. Tudo o que você precisa fazer é acessá-lo.

Meu ebook exclusivo de 96 páginas filtra o mistério dessas filosofias e mostra como melhorar todos os aspectos da vida diária, incluindo seus relacionamentos, resiliência emocional e estado de espírito.

Para quem é este livro

Se você quer viver uma vida melhor aplicando a sabedoria atemporal do budismo ...

… Adoraria um guia prático e acessível que filtrasse a confusão esotérica freqüentemente associada ao budismo e outras filosofias orientais. Um que apresenta sabedoria valiosa de uma forma clara e fácil de seguir ...

... e aspire a viver uma vida mais feliz, calma e satisfatória do que a que você está experimentando agora ...

... então este livro é absolutamente para você.

Veja o livro